Translate

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013




Luz e Sombra.
J. Norinaldo.


Foco minha luz na tua sombra, penetro com meu brilho teu escuro, marco com meu punhal teu escudo, deixo meu sinete em teu diploma e aponto teu caminho no futuro. Faço-te  companhia  noutra sombra, que aos poucos vai ficando mais escuro, te tolho o presente já passado, escudado na promessa do futuro. Finco minha sombra em tua luz, que reduz o brilho do meu punhal que afinal busca o brilho do escuro. Penetro com o punhal o teu escudo, quando tudo do passado é o futuro, coloco o sinete no presente, no brilho do diploma do escuro. Foco a atenção no meu dilema, enquanto meu poema tem futuro, usando o passado como tema, sem problema com o brilho do escuro; escrevendo na areia da estrada ou no escuro da noite com meu brilho, ou na sombra dos aceiros do meu nada.


1 comentário:

sergio mathias pereira disse...

Eu estive mateando por aqui! Mate cevado com a mais pura poesia!


Sérgio Mathias