Translate

quarta-feira, 11 de maio de 2011



Se Culpado fores.
J. Norinaldo

Ouço os ecos de lamuria em tua prece,
Como chispas de uma língua de adaga,
Que escarra na face que afaga,
E apedreja os anjos de augusto,
Atraindo a si mesmo o nojo justo,
Do desdém que a vida te oferece.

Caminhando com a morte de mão dada,
Consciente que tua prece não diz nada,
Que teu sorriso de escárnio é fingimento;
E que os rastros que deixastes na estrada,
São seguidos por aves de rapina,
Pelos odores de carne estragada.

Insalubres lembranças do passado,
Como mofo das tochas apagadas,
Diz-te santo perante um deus amigo;
Por teus atos aqui na terra praticados,
Até o mar que te acolheu foi poluído,
E com certeza Deus nunca esteve contigo.

3 comentários:

Paola Vannucci disse...

Gostei muito do seu blog

Visite-me

Paola

ALBERTO ARAUJO disse...

Amigo que legal o teu texto, gostei muito. Parabéns - estou seguindo você, depois siga-me ok, abraços do ALBERTO ARAÚJO

Lourival Rodrigues dos Santos disse...

Palavras milimetricamente colocadas em seus versos traduzem a minha verdade também sobre a nefasta figura. "E com certeza Deus nunca esteva contigo"(com ele). Grande abraço, amigo.